segunda-feira, maio 19, 2014

Isto é só um blogue.

Talvez seja assim. Talvez eu não passe de uma pessoa mesquinha que só escreve coisas negativas sobre o seu filho. Alguém que pressiona um filho, que não o sabe ouvir, que não o deixa brincar, que o expõe em demasia a troco de nada. Ou talvez até (ainda pior) a troco de umas visualizações. Alguém que estraga a noite do filho por causa de 54 por cento.
Talvez eu seja essa pessoa. Ou não. 
Talvez eu seja uma mãe cansada, como muitas outras, com frustrações, dias maus, desgostos, tristezas, quedas emocionais, desapontamentos, como muitas outras mães.
Ou talvez seja também uma pessoa que sente mais necessidade de desabafar quando as coisas lhe correm mal. Quando a vida me corre muito bem raramente venho ao blogue. É mesmo assim.
Eu não tenho de explicar aqui o quanto gosto dos meus filhos, o quanto eles representam para mim. Mas esse amor não é incompatível com a crítica, com o desabafo. Isso vai continuar a acontecer enquanto este blogue existir. Por isso, se alguém não gosta tem bom remédio... 
Amar um filho é desejar, sobretudo, que ele seja boa pessoa, um ser humano bem formado, generoso, empenhado em fazer bem, em ser dedicado. E, para mim, isso também passa por dar o melhor de si nas tarefas que tem para fazer, sejam elas um teste ou fazer a cama.
Se calhar, aos olhos de muitos, eu sou uma mãe mesquinha e castigadora, uma pain in the ass que não gosta o suficiente dos filhos. 
Mas não sou... E não se levem tanto a serio. Isto é só um desabafo. 

5 comentários:

Maggie disse...

Claro que não és uma mãe mesquinha e castigadora, és só uma mãe preocupada com o futuro do filho!
Bjos

Maggie

Anónimo disse...

Olá Inês. Nunca comentei mas leio o seu blog desde as crónicas da Pais e filhos. E devo dizer que um dos principais motivos pelos quais gosto d a ler é precisamente porque me identifico. Muitas vezes com os ralhetes, com os seus desabafos, com os suficientes que podiam (e deviam!) ser bons ou muito bons ! Um beijinho, Sandra

Ana Raquel disse...

Olá mãe mesquinha que nao quer um filho preguiçoso. Qual é o mal de se exigir q se estude? Ai ai

Boa continuação...

Vida Madrasta disse...

etou absolutamente contigo princesa. Amar uma criança é educá-la, com tudo o que isso implica. e implica beijinhos e ralhetes. eles agradecem.

e ainda em relação a um outro post, a exigência é sinal de muito amor.

Helena Barreta disse...

Precisamente por amar o Henrique mais do que qualquer outra pessoa é que lhe tem "que dar na cabeça" sempre que se justificar. Amar não é dizer que sim a tudo e aprovar tudo o que os filhos dizem ou fazem. Amar é cuidar e guiar para que escolham o caminho certo a seguir.